A Ação Comunitária da Chácara Santo Antônio, é uma Associação independente, certificada pelo Ministério da Justiça como OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público,  criado pela Câmara Americana de Comércio de São Paulo, e é formada por empresas, condomínios residenciais, comercio, escolas e pessoas físicas localizadas e com endereço na região, e com participação de toda comunidade.

Nasceu da necessidade de mobilizar a comunidade para, em parceria com os orgãos públicos, contribuir para reduzir a criminalidade em uma área geográfica determinada.
A Ação Comunitária abrange a área circundada pelas seguintes ruas e avenidas: Roque Petroni Jr, Santo Amaro, Verbo Divino, Alfredo Egídio de Souza Aranha e Nações Unidas (até a Roque Petroni Jr), podendo extender essa área de acordo com interesses associativos ou locais.

Engajar todos os componentes da comunidade para a conquista da segurança pessoal e patrimonial, entendendo que a questão segurança pública transcende da simples técnica, para um contexto mais complexo que envolve solidariedade e conscientização.

Trabalhar amplamente para otimizar e melhorar a qualidade de vida em todo o perímetro delimitado pela Chácara Santo Antônio, atuando a partir do desenvolvimento e incentivo de atitudes individuais e coletivas das empresas, instituições e pessoas físicas que vivam, trabalhem e freqüentem a região para promoção da segurança comunitária, assim como em todos os aspectos que possam gerar o bem-estar pessoal e social; independentemente do beneficiado ser ou não qualificado como sócio/associado.

Promover e incentivar o conceito de cidadania na comunidade, em ações contrárias à omissão, na busca do comprometimento  com a vivência interativa e com a integração da comunidade;

Relacionar-se com representantes do poder público, entidades classistas e outras associações,  promovendo reuniões constantes destes com a comunidade buscando garantir os recursos necessários à segurança do Bairro, e sua forma de aplicação.

Promover a integração das equipes de segurança interna das empresas e condomínios, criando procedimentos conjuntos de informação e proteção.

Entender a criminalidade existente na região, desenvolver  e propor ações preventivas aos beneficiários

Administrar equipe volante de segurança, observando o entorno dos associados e dando apoio aos funcionários em deslocamentos externos.



  • Ser um grupo de empresas “ricas” procurando vantagem de orgãos públicos.
  • Obter policiamento privilegiado ou atendimento especial de orgãos públicos em
    troca de “favores” ou remuneração financeira.
  • Substituir o Conseg ou outras organizações oficiais.
  • Interferir na administração da PM ou da PC.
  • Alterar atividades operacionais ou técnicas da PM ou da PC.
  • Corromper policiais ou fiscais, nem sermos corrompidos por eles.
  • Empregar policiais em “bicos” ou incentivar esse procedimento.
  • Proteger policiais ou fiscais que estejam agindo em desacordo com sua função
    ou com sua obrigação formal.
  • Incentivar desvios de função ou qualquer ação em desacordo às normas da PM
    ou PC seja de policiamento, de trabalhos investigativos ou repressivos.
  • Incentivar procedimentos desencaminhadores ou delituosos.